Polícia
Pista da BR-364 reconstruída após cheia do Madeira pode ter sido irregular, diz PF
Durante coletiva, o delegado regional executivo da PF, José Antônio Simões, disse que essa empresa receberia o dinheiro pago em sua integralidade mesmo com fiscais alegando que a qualidade do trabalho executado era abaixo do esperado em contrato

Por Rondoniaovivo
Publicado 11/07/2019
A A

Deflagrada na manhã desta quarta-feira (10) pela Polícia Federal – PF, Ministério Público Federal – MPF e Controladoria Geral da União – CGU, a operação Mão Dupla impediu que R$ 12 milhões fossem pagos de forma indevida a empresa LCM Construção e Comércio, acusada de esquemas criminosos para fraudar o erário em anuência com agentes do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte de Rondônia – DNIT/RO. 

Durante coletiva, o delegado regional executivo da PF, José Antônio Simões,  disse que essa empresa receberia o pagamento em sua integralidade mesmo com fiscais apontando que a qualidade do trabalho executado era abaixo do esperado em contrato. O trecho em especifico fica localizado na região de Vista Alegre do Abunã, distrito de Porto Velho (RO). 

Foram cumpridos sete mandados de prisão e dez mandados de busca e apreensão nos estados de Rondônia e Acre. Os crimes apurados são de peculato, corrupção ativa e passiva, bem como formação de organização criminosa, somadas, as penas podem chegar até 32 anos.

Segundo o Procurador da República João Gustavo de Almeida, que integra o núcleo de combate à corrupção, essa operação foi deflagrada em tempo recorde e se baseou em fatos bem delineados, permitindo que a Polícia Federal pudesse chegar rapidamente à esse esquema. 

Causa espanto a forma como a empresa conduzia essa operação ilícita, é uma rodovia que está bem avariada e se confirmado que toda essa extensão está comprometida, certamente a sociedade terá novos problemas com a qualidade dessa pista”, afirmou. 

Após a deflagração dessa primeira fase, os agentes federais irão realizar oitivas com presos para entender se todo esse trecho da BR-364 que foi deteriorado durante a cheia o rio Madeira em 2014 foi reconstruído de forma corrupta, como o de Vista Alegre. Desde o dia da denuncia até a deflagração  dessa operação foram menos de duas semanas.

Entre os problemas causados por esse esquema estão medições erradas na pista que podem levar a acidentes. O delegado responsável pelas investigações, Juliano Fumyo, afirmou que seguirá nas investigações e irá verificar as outras medições que ainda não estão à disposição das autoridades.

Fonte: Rondoniaovivo

Mãos Dupla   BR-364   PF   Pista  

Mais em Polícia

Notificações

Se você gostou do nosso conteúdo, podemos lhe enviar notificações push sobre postagens selecionadas.