Rondônia
Governo de Rondônia avança com políticas públicas para alunos de Libras em 211 salas multifuncionais
A acessibilidade para alunos surdos em Rondônia vem se consolidando

Por Montezuma Cruz
Publicado 23/04/2021
A A
Foto: Pasalon Francisco

Ações importantes põem o Governo de Rondônia, por meio da Secretaria de Estado da Educação (Seduc) na vanguarda para a inclusão escolar. A acessibilidade para alunos surdos em Rondônia vem se consolidando. A interpretação da Língua Brasileira de Sinais (Libras) facilita a comunicação entre o professor e o aluno surdo para o seu acesso aos conteúdos curriculares. Nesta sexta-feira (23), o Brasil comemora o Dia Nacional de Educação de Surdos, data criada para celebrar as lutas e conquistas da escolarização de estudantes surdos e a integração no ensino regular.

A inclusão de alunos portadores de deficiências constitui a meta 4 do Plano Estadual de Educação. “Em 2019, o governo realizou um seminário estadual de educação inclusiva, algo que não ocorrida havia dez anos”, disse a chefe do Núcleo de Educação Especial, vinculado à Gerência de Educação Básica e à Diretoria de Educação da Seduc, Heluízia Patrícia Lara.

Escolas inclusivas atendem atualmente 201 alunos com com deficiência auditiva e 131 surdos incluídos no ensino regular em Rondônia. “A Seduc realizou processo seletivo para a contratação de técnicos intérprete de Libras, para levar acessibilidade aos alunos surdos da rede estadual”, informou.

A Secretaria dispõe de 49 intérpretes da Libras. Para atendê-los, oferece, em todo o estado, 211 salas de recursos multifuncionais. No turno inverso à escolarização, os alunos surdos recebem atendimento educacional especializado nessas salas da própria escola ou em outra escola de ensino regular mais próxima de suas residências. “Cumpre, desta maneira, a inclusão escolar preconizada pela Lei de Diretrizes e Bases da educação nacional e pela Lei de Educação Especial, que faz parte da Lei de Inclusão nº 13.146, de 6 de julho de 2015″, frisa Heluízia.

BILÍNGUE

A gerente de educação básica, Rosane Seitz Magalhães e a diretora geral de educação, Irany Oliveira Lima Morais estudam a adoção de um projeto pioneiro no estado, que funciona em Ariquemes (a 200 quilômetros de Porto Velho) na Escola Estadual de Ensino Médio e Fundamental Anísio Teixeira: chama-se “Libras como 1ª Língua L I”, e “Língua Portuguesa como 2ª Língua L II”, e visa desenvolver para estudantes surdos a Língua Portuguesa escrita como L II, e Libras como L I.

“Estamos em fase de estruturação do projeto no mesmo formato desse, introduzindo algumas modificações, e aguardamos a pandemia (da covid-19) acabar, para o introduzirmos nas escolas-piloto”, assinala Heluízia. Ela informa algumas ações do Núcleo de Educação Especial que fortaleceram a inclusão escolar em Rondônia:

► Seminário Estadual de Educação Inclusiva capacitou 137 professores nas salas de recursos multifuncionais da capital e interior do estado.
► Curso de Libras básico para servidores da própria Seduc preparou esses profissionais para o atendimento ao público que necessita dessa acessibilidade.
► Realização de cursos de Libras para professores das salas de recursos multifuncionais das escolas da Rede Estadual de Ensino.
► Distribuição de material impresso (manual de orientações, folders, cartazes e banners) para as escolas e coordenadorias, contendo orientações e informações relevantes sobre o atendimento aos professores e de sensibilização à comunidade escolar em geral.

SUPRIR CARÊNCIAS

De acordo com a Lei 10.436, a Libras é reconhecida como idioma dos surdos, mas não substitui a Língua Portuguesa (doravante LP), evidenciando que a LP também se faz essencial na vida daqueles usam a Língua de Sinais. No entanto, conforme estudos da Diretoria de Educação, poucas são as metodologias consolidadas no que se refere ao ensino da Língua Portuguesa para os alunos surdos, o que prejudica o seu andamento escolar como um todo.

Assim, esse projeto concebido em Ariquemes deverá suprir as carências dos alunos surdos, de promover a acessibilidade e executar o seu papel frente à legislação e normas pertinentes no contexto atual. A Seduc informa que a iniciativa do funcionamento desse projeto já foi tomada em outros estados brasileiros que aderiram à proposta de educação bilíngue.

A Sala de educação bilíngue, alternativa criada na escola comum, pode melhorar a compreensão e acessibilidade da disciplina, tendo em vista a demanda de alunos surdos e a sua dificuldade em assimilar e entender as particularidades da Língua Portuguesa, bem como seus desdobramentos em uma língua de modalidade espaço-visual – Libras).

Fonte: Secom - Governo de Rondônia

Acessibilidade   Educação   Língua Portuguesa   Alunos Surdos   Educação Especial   Libras   Surdos   Educação Inclusiva   Educação Básica   Alunos  

Mais em Rondônia

Notificações

Se você gostou do nosso conteúdo, podemos lhe enviar notificações push sobre postagens selecionadas.