Rondônia
Corpo de Bombeiros Militar viabiliza transporte aeromédico de pacientes com Covid-19 para atendimento em outros estados
Desde do início da pandemia, 36 missões voltadas para Covid-19 já foram realizadas

Por Emanuelle Pontes
Publicado 30/01/2021
Atualizado 30/01/2021
A A
Foto: Frank Néry

Desde o início da pandemia, o Governo de Rondônia, por meio do Corpo de Bombeiros Militar (CBM), vem atuando para minimizar os efeitos da Covid-19, não só apenas no transporte aeromédico, com remoção de pacientes, como também nos resgates, transporte de equipamentos e insumos, como ainda em atividades técnicas de vistorias em estabelecimentos comerciais, a fim de fazer cumprir a Lei.

Mas neste momento, o Grupamento de Operações Aéreas (GOA) subordinado ao Comando de Operações Aéreas (COA), unidade de gestão no organograma, tem ganhado destaque. O grupamento foi criado em 2012, ou seja, está há nove anos operando com três aviões e um helicóptero composto por seis pilotos.

O GOA já transportou cerca de cinco toneladas de material para tratamento da Covid-19, como ventiladores, testes, insumos, EPIs (Equipamento de Proteção Individual) e, uma das mais recentes, as vacinas CoronaVac e AstraZeneca/Oxford. Dessa vez, os pilotos estão transportando algo mais valioso: vidas humanas, pacientes em estado grave, acometidos pelo coronavírus.

De acordo com o comandante do COA, major BM, Philipe Leite, o CBM é responsável pelo transporte de pacientes de alta complexidade, já a Força Aérea Brasileira pela remoção de pacientes de baixa e média complexidade. Inclusive, ele conta que o transporte aeromédico se divide em duas classificações, a remoção, que retira um paciente de uma unidade e leva para outra, e o resgate de salvamento.

Durante a pandemia, 36 missões voltadas para Covid-19 já foram realizadas com uma soma em torno de 300 horas de voo nos mais variados Estados. Tendo a oportunidade agora de contribuir, no sentido de ser uma ferramenta à disposição de transporte de pacientes entubados.

“A pandemia traz para a gente um grande orgulho de poder ajudar nesse momento sensível, ao mesmo tempo, nos traz uma carga de responsabilidade muito grande. Por atuar diretamente com pessoas com Covid-19, a gente procura seguir todos os protocolos para não pôr em risco nossos colegas de trabalho e a nossa família”, pontua o major.

Nas ações que resultam transporte de pessoas com a doença em estado grave, no hangar onde comporta os aviões e o helicóptero, há uma tenda de desinfecção, com hipoclorito para passar no solado, zona de descarte para os macacões, entre outros, para higienização dos tripulantes e da aeronave, conforme regulamento do Ministério da Saúde e da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Segundo o comandante-geral do CBM, coronel BM Gilvander Gregório de Lima, a corporação também tem atuado incessantemente no combate à pandemia com a gestão de crise e criação de sala de situação de pronta-resposta, como ainda através de uma co-gestão com a Defesa Civil, dando suporte necessário à população.

“Em todos momentos da pandemia, o CBM esteve apoiando e atuando na linha de frente no combate à Covid-19. Com nosso trabalho, garantimos uma contribuição elevada neste momento e isso nos motiva a continuar realizando mais ações em benefício da vida dos rondonienses”, demonstrando que os militares levam a sério o lema ‘Vidas alheias, riqueza salvar’ da corporação.

RESGATE 3

As aeronaves são nominadas de Resgate 1, 2, 3 e 4. Mas o carro-chefe no enfrentamento à pandemia é o Resgate 3 modelo “Grand Caravan EX”, uma aeronave nova, vinda dos Estados Unidos da América. O avião possui uma grande capacidade no transporte de carga e peso e garante transportar até nove passageiros. Na configuração aeromédica, ele tem o potencial de transportar dois passageiros de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) completa por vez, com sua equipe composta de um médico e um enfermeiro para cada um.

“Não tenho conhecimento no Brasil de nenhuma aeronave, privada e pública, que tem essa capacidade homologada pela Anac. Com a Resgate 3, a gente consegue atender mais pessoas de uma vez, o que traz mais celeridade na movimentação e economia para o Estado com metade do custo que gastaria”, comenta o comandante do COA, Philipe Leite.

O avião foi doado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDS) avaliado em torno de US$ 3 milhões, um valor incorporado no patrimônio do Estado, sem ônus para o Governo.

Fonte: Secom - Governo de Rondônia

Esperança no Ar   Bombeiros Militar   PACIENTES   Pandemia   Resgate   Operações Aéreas   Transporte Aeromédico   Atividades Técnicas   Estabelecimentos Comerciais  

Mais em Rondônia

Notificações

Se você gostou do nosso conteúdo, podemos lhe enviar notificações push sobre postagens selecionadas.