Rondônia
No mês de prevenção ao suicídio, especialistas alertam sobre os sintomas ligados a depressão e divulgam centrais de atendimento
Com a finalidade de prevenir e reduzir os casos de suicídio, há seis anos foi escolhido setembro como o mês de prevenção à doença, em uma campanha mundial contra esse mal

Por Marina Espíndola
Publicado 08/09/2020
Atualizado 08/09/2020
A A
Foto: Frank Néry, Arquivo pessoal e Daiane Mendonça

O Governo de Rondônia, através dos órgãos ligados à saúde, busca investir na expansão dos atendimentos voltados à saúde mental dos servidores públicos de Rondônia. No Hospital de Base Dr. Ary Pinheiro em Porto Velho, funciona o Centro de Valorização da Vida (CVV), onde psicólogos prestam assistência aos profissionais da área da saúde do Estado com sintomas de depressão.

A rotina estressante de trabalho voltado a área da saúde, processo doloroso de divórcio e recorrentes dificuldades familiares, desencadearam uma série de problemas psicológicos na jovem enfermeira Izamara Vieira Braga, que com perseverança no tratamento vence a depressão todos os dias.

Para os policiais militares que atuam nos serviços junto a sociedade e se deparam com situações rotineiras que podem desencadear sintomas ligados a depressão, o Estado disponibiliza o Serviço de Psicologia da Diretoria de Serviço Social. A psicóloga Alessandra Machado, diretora de serviço social da Polícia Militar de Rondônia, diz que ainda não há dados oficializados sobre o aumento do suicídio no período de pandemia.

Com a finalidade de prevenir e reduzir os casos de suicídio, há seis anos foi escolhido setembro como o mês de prevenção à doença, em uma campanha mundial contra esse mal.

Surtos de estresse e ansiedade ficaram visíveis para a enfermeira Izamara Vieira Braga, que sempre foi saudável e diante de tais sintomas procurou ajuda antes que se autodestruísse, foi quando os médicos a diagnosticaram e descobriu-se então a necessidade de internação médica e afastamento das suas atividades profissionais.

“Passei por vários médicos psiquiátricos, porque eu não entendia, porquê aquilo estava acontecendo comigo, e porquê eu não melhorava. Sempre que ia na terapia com a psicóloga era um dia de absorver as orientações dela e outro dia era de dizer que eu estava fraquejando e não estava conseguindo progredir. E ela sempre fala que a nossa vida é uma montanha russa, um dia vamos estar bem, mas vai ter dia que não. Isso é viver. E então não consegui mais retornar as minhas atividades habituais”, relata a jovem.

A enfermeira conta ainda que não aceitava suas condições emocionais, e que cometer o suicídio era a solução para seus problemas. Ao ser medicada e após algum tempo de tratamento, a retomada mais um vez frustrante de atividades laborais foi o estopim para dar continuidade a mais uma crise, só que desta vez ligada a insônia e outros sintomas.

SINTOMAS E TRATAMENTO

De acordo com a psicóloga Risomar Ferreira de Souza, lotada no Hospital de Base, a depressão é uma doença severa que pode acometer pessoas em qualquer idade, como no caso da jovem Izamara. Crianças, jovens adultos e idosos, independente do padrão de vida e/ou classe social não estão imunes. “É muito importante tratar depressão como doença, e buscar urgentemente ajuda médica e psicológica. Quem tem depressão não está inventando doença, preguiça ou outros termos pejorativos que são usados para os sintomas manifestos”, e complementa o alerta, “leve muito a sério ao ouvir queixas ou observar sintomas, pois há a necessidade de socorro imediato”.

Os principais sintomas de que uma pessoa está deprimida são: tristeza, sem motivos aparente; Humor deprimido, que se caracteriza por desânimo persistente; Baixa autoestima; Sentimentos de inutilidade; Perda de interesse em atividades que antes a pessoa apreciava; Mudança de apetite; Ganho ou perda de peso; Insônia ou dormir em excesso; Perda de energia ou fadiga acentuada; Movimentos físicos sem sentido, como apertar as mãos de forma constante e nervosa (sinais de ansiedade); Sentir-se sem esperança; Sentir-se culpado; Dificuldades para raciocinar, se concentrar ou tomar decisões; Ideações de morte ou suicídio; Irritabilidade, ansiedade e angústia; Necessidade de um grande esforço para fazer coisas que antes eram fáceis; Diminuição ou incapacidade de sentir alegria; Sentimentos de medo, insegurança, desespero, desamparo e vazio; Interpretação distorcida e negativa da realidade; Dores e outros sintomas físicos sem uma causa aparente, como dores de barriga, azia, má digestão, diarreia, prisão de ventre, gases, tensão na nuca e nos ombros, dor de cabeça ou no corpo, sensação de corpo pesado ou de pressão no peito.

Diante de muitas recomendações, internações, remédios e tratamento, Izamara, tentou novamente o retorno das atividades profissionais na área de enfermagem, e se convenceu que não dava mais para continuar no que amava fazer.

“Hoje, eu ainda tomo antidepressivo. Dos mais de oito comprimidos passei a usar apenas um por dia e vivo feliz, pois descobri que só eu posso mudar meu destino, que acima de mim só existe Deus e que o resto é só mais um obstáculo que vou vencer para conquistar meus ideais, e que sem Deus não conseguimos nada. Hoje eu sou feliz e todos os dias luto para que meu outro dia seja mais feliz ainda. Todos os dias eu luto com meu próprio pensamento e vocês podem ter certeza que a única coisa que pode nos sabotar somos nós mesmo, mas isso, se nós deixarmos. E eu digo “eu não quero mais ser infeliz”, finaliza Izamara.

O caso da enfermeira é apenas um em um universo de milhares. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a depressão foi considerada o mal do século XXI. Atinge cerca de 10% da população mundial, e o índice aumenta a cada ano. Uma doença silenciosa, que é incompreendida até mesmo por quem sofre com o problema e que pode levar ao suicídio. Um mal que atinge todas as camadas sociais.

ATENDIMENTO

O Centro de Valorização da Vida possui um canal de atendimento, através do telefone 188.

O Serviço de Psicologia da Diretoria de Serviço Social pode ser acionado por meio do telefone: 3216-8869.

A população em geral pode buscar atendimento nos Centros de Atenção Psicossocial (Caps). Em Porto Velho, há duas unidades: o Caps Três Marias, que funciona na rua Equador, bairro Nova Porto Velho e o Caps Madeira Mamoré, situado na rua Elias Gorayeb, bairro Liberdade.

O serviço também pode ser acessado pelo site: www.setembroamarelo.org.br

Fonte: Secom - Governo de Rondônia

SETEMBRO AMARELO   Prevenção   Rondônia   Suicídio   Serviço Social   saúde mental   sintomas  

Mais em Rondônia

Notificações

Se você gostou do nosso conteúdo, podemos lhe enviar notificações push sobre postagens selecionadas.