Agronegócio
Em agosto, indicador de preços dos alimentos no atacado subiu 1,59%
No ano, o indicador acumula alta de 14,2%, mas em 12 meses a queda é de 3,9%

Por Canal Rural
Publicado 07/09/2020
A A
Pixabay/stevepb

O índice de preços dos alimentos no atacado da Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp) registrou alta de 1,59% em agosto em relação ao mês anterior, puxado pela elevação das cotações de frutas, legumes e pescados. Já o setor de diversos apresentou queda expressiva de 9,9%. No ano, o indicador acumula alta de 14,2%, mas em 12 meses a queda é de 3,9%.

Conforme comunicado da companhia, o volume ofertado de alimentos fechou o mês de agosto com 241.279 toneladas, 6,7% menor em comparação com o mês anterior (258.658 t). Pode ter colaborado para essa baixa o frio rigoroso de alguns dias em regiões produtoras no Sul e Sudeste. Em contrapartida, também ocorreram ao longo do mês altas temperaturas que aceleraram o desenvolvimento, a maturação e a coloração nos produtos, o que causa desequilíbrio na frequência da oferta.

Mesmo no atual período de estiagem, diz a Ceagesp, é possível encontrar produtos de qualidade a preços razoáveis. Essa tendência deverá prosseguir até o fim do inverno. “Esse quadro poderá sofrer alteração caso ocorram geadas nas regiões produtoras”, pondera.

Em agosto, o setor de frutas apresentou alta de 2,83%. As principais elevações ocorreram em: acerola (110,6%), limão taiti (51,6%), maracujá azedo (25,4%), laranja lima (23,9%) e do mamão formosa (20,1%). As principais quedas ocorreram nos preços do abacate margarida (-27,2%), goiaba vermelha (-14,1%), mangas palmer (-13,4%) e tommy atkins (-12,8%) e goiaba branca (-12,2%).

O setor de legumes registrou elevação de 2,13%. Principais altas: pimentões amarelo (64,1%) e vermelho (52,0%), tomates italiano (30,2%) e achatado (28,2%), cenoura (27,9%) e beterraba (25,2%). As principais quedas de preços ocorreram com: chuchu (-34,6%), vagem macarrão curta (-20,9%), ervilha torta (-18,3%), pepino caipira (-15,4%) e abobrinha italiana (-15,1%).

O setor de verduras apresentou queda de 2,48%. Os principais recuos registrados foram nos preços do manjericão (-21,5%), da couve-flor (-15,5%), da cebolinha (-9,8%), do milho verde (-9,3%), da erva-doce (-9,0%) e do orégano (-7,9%). As maiores altas de preços ocorreram com a salsa (15,6%), com o repolho (12,4%), com o salsão (10,4%) e com o almeirão (8,7%).

O setor de diversos fechou o mês com queda expressiva de 9,96%. As principais baixas foram registradas nos preços da cebola (-32,5%), do alho (-24,1%) e das batatas asterix (-20,2%) e lavada (-11,3%). A principais altas ocorreram com a canjica (14,8%), com o coco seco (7,4%), com o milho de pipoca estrangeiro (6,3%) e com o amendoim com casca (5,4%).

O setor de pescados registrou alta de 1,91%. Os principais aumentos ocorreram nos preços da sardinha congelada (21,5%), da cavalinha (18,7%), da pescada goete (10,5%), do polvo (10,5%) e da anchova (10,1%). As principais quedas se deram nos preços da lula congelada (-20,5%), do cascote (-5,9%) e do salmão (-2,6%).

Fonte: Canal Rural

Preço dos Alimentos   atacado   Armazéns Gerais   Principais Quedas   Entrepostos   Principais Altas  

Mais em Agronegócio

Notificações

Se você gostou do nosso conteúdo, podemos lhe enviar notificações push sobre postagens selecionadas.