Política
Políticos defendem Pazuello e dizem preferir especialista em gestão
Desde o início da pandemia, dois ministros caíram, Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich, por divergências com Bolsonaro

Por Notícias ao Minuto
Publicado 21/07/2020
A A
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Apesar de uma interinidade que já dura mais de dois meses e de o país ter ultrapassado a marca de 80 mil mortos pela Covid-19, a maior parte dos políticos ouvidos pela reportagem nos últimos dias defende o trabalho do general Eduardo Pazuello à frente do Ministério da Saúde, afirmando que, para esse tipo de cargo, é preciso mais ser gestor do que ter especialidade na área.

Reflexo, em parte, da adesão do centrão ao governo de Jair Bolsonaro (sem partido), a boa vontade é justificada por esses políticos pela necessidade de que recursos e equipamentos cheguem mais rapidamente a estados e municípios.

Segundo eles, apesar de haver vários problemas e dos números alarmantes da pandemia no país, estaria havendo empenho de Pazuello e de sua equipe (ele levou outros 15 militares da ativa) em ouvir os pleitos dos políticos e fazer a máquina funcionar.

A ressalva feita por alguns é a de que Bolsonaro precisa definir logo quem será o titular. Com exceção da oposição, a maioria criticou a manifestação do ministro Gilmar Mendes, do STF (Supremo Tribunal Federal), de que a militarização de postos de comando na Saúde estaria levando o Exército a se associar a um "genocídio".

Desde o início da pandemia, dois ministros caíram, Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich, por divergências com Bolsonaro.

O presidente é um crítico contumaz das principais medidas defendidas pelas autoridades sanitárias e a Organização Mundial da Saúde, tendo pregado contra elas em diversas oportunidades.

"Em um momento de uma pandemia como essa, a gente quer que se resolvam as questões. Precisamos que cheguem equipamentos, que chegue material, que se reúna com o Conass [colegiado de secretários de saúde dos estados], com o Conasems [secretários de saúde dos municípios], que tenha uma interlocução clara e rápida. E isso tem ocorrido", afirmou o deputado Antonio Brito (PSD-BA), presidente da Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara.

O senador Izalci Lucas (PSDB-DF), que integra comissão do Congresso de acompanhamento das medidas de combate ao coronavírus, tem discurso semelhante."Nem sempre o melhor secretário de Saúde é um médico. Você tem que ter especialiasta para discutir técnica, mas a gestão tem que ser por especialistas em gestão. O Pazuello está fazendo um ótimo trabalho", afirma o senador.

Ele faz algumas ressalvas, entre elas a de que a população acaba sendo prejudicada com a indefinição sobre o titular e a de que se Pazuello ficar, tem que ir para a reserva.

Relator da comissão, o deputado Francisco Jr. (PSD-GO) também diz ser necessário um bom gestor e afirma não ver problema na militarização dos postos de comando da pasta.

"Tenho visto que o ministro [Pazuello] tem conseguido dar resultado, porque ele é especialista em logística. Esse é um momento que é preciso alguém que faça chegar onde precisa, que está sendo o maior drama nosso. Pela comissão a gente vê que tem uma liberação de recursos e uma dificuldade de gastar esses recursos. Uma dificuldade de conseguir fazer que eles se transformem em equipamento, em algo mais efetivo para o combate à pandemia."

Francisco Jr. criticou as afirmações de Gilmar. "Justiça se manifesta nos autos, no processo, não tem opinião política. Isso me preocupou. O que isso colaborou? Na verdade ele fez um julgamento sem prova e sem processo."

Líder da bancada do DEM, partido que ocupa as presidências da Câmara e do Senado, o deputado Efraim Filho (PB) defende, inclusive, a permanência de Pazuello."Vimos o que ocorreu com a saída do Mandetta, que fazia um bom trabalho, e ao alterar o ministro, altera toda a equipe, e se perde um longo tempo de ajuste, tempo que já não dispomos. O que deveria ser feito era focar no trabalho do ministro Pazuello e contribuir com ele e a sua equipe. Pensar menos na política e mais na nação."

Conforme mostrou a coluna Painel, Pazuello também tem apoio quase unânime entre os secretários estaduais da área, que não estavam tão alinhados aos antecessores. Dos 27 secretários das unidades da federação, 17 disseram à coluna que aprovam o trabalho do general.

A avaliação sobre os militares na Saúde encontra tom crítico em ex-aliados de Bolsonaro e na oposição.

"A minha posição é clara: não são as Forças Armadas que assumiram a Saúde. Foi a indicação do presidente da República por um militar que, por acaso, ainda está na ativa. Vejo que na saúde tem que ter alguém que tenha qualificação para o estabelecimento de políticas públicas de saúde", diz o senador Major Olimpio (SP), líder do PSL.

"Ao que me consta, o general Pazuello é um excepcional militar, um especialista em logística e um ótimo cumpridor de ordem. Então o Bolsonaro o deixou ali como interino para não ter um ministro da Saúde, porque ele vai ter dificuldade muito grande para achar alguém que queira rasgar a sua biografia para acompanhar as teses dele sobre isolamento social, contaminação de rebanho e o uso da cloroquina como remédio para todos os males em relação à Covid."

Embora diga não concordar com as palavras usadas por Gilmar, Olimpio afirma que por Pazuello ser da ativa e ter levado 15 pessoas das Forças Armadas para trabalhar com ele, "quer queira, quer não, acaba tendo uma associação com o Exército brasileiro e acaba resvalando".

Lider do PT, o maior partido de oposição a Bolsonaro, o deputado Enio Verri (PR) diz concordar com a avaliação do ministro do STF.

"Entendemos que é genocídio sim. Estão se associando a isso, na medida que estão concordando que um militar, que não é da reserva, esteja ali tomando as providências que ele está tomando e não resolvendo nada", afirma o petista, segundo quem Pazuello não tem autonomia e se submete a ideias de um presidente sem capacidade de gestão ou de formulação de políticas de saúde pública.

Para o líder do PSB na Câmara, Alessandro Molon (RJ), a intensa participação de militares da ativa no governo Bolsonaro começa a criar uma confusão sobre o papel da instituição, que é de estado, não de governo. "Como bem disse o vice-presidente [Hamilton] Mourão no ano passado, as Forças Armadas podem ser associadas ao fracasso deste governo. É ruim pra imagem das Forças Armadas e péssimo pra democracia."

Conforme mostrou o jornal Folha de S.Paulo neste domingo (19), a presença de militares da ativa no governo federal cresceu 33% sob Bolsonaro, mais que dobrando em 20 anos.

Fonte: Notícias ao Minuto

Especialista   Eduardo Pazuello   Saúde   forças Armadas   bolsonaro   Ministro   Políticos Ouvidos  

Mais em Política

Notificações

Se você gostou do nosso conteúdo, podemos lhe enviar notificações push sobre postagens selecionadas.