Geral
Fumantes correm risco maior de desenvolver caso grave de covid-19
Há mais risco de as pessoas serem acometidas por casos graves da covid-19. Estudos têm mostrado que o pulmão de fumantes pode ser mais vulnerável à infecção pelo vírus e que hábitos, como compartilhar o cigarro, aumentam o risco de disseminação do Sars-CoV

Por Correio Braziliense
Publicado 22/06/2020
A A
Foto: Divulgação/Pixabay

A covid-19 é uma doença nova, cheia de mistérios que, aos poucos, vão sendo desvendados pela ciência. Já se sabe, por exemplo, que um dos órgãos mais prejudicados é o pulmão. Por isso, há investigações em curso sobre a influência do tabagismo no agravamento da doença. Especialistas também alertam para o risco de aumento do consumo do tabaco em função do isolamento, que pode gerar ansiedade e sentimento de solidão, entre outros impactos psicológicos.

Nos estudos sobre como o Sars-CoV-2 consegue entrar e se replicar no organismo humano, foi identificado que a enzima ACE2 é usada pelo vírus para invadir as células. Os pulmões atuam como um dos principais locais de produção dessa proteína, o que  reforça as suspeitas de que fumantes poderiam ser afetados de forma distinta pelo novo coronavírus. Para esclarecer a questão, cientistas norte-americanos iniciaram o estudo comparando a expressão da ACE2 no tecido pulmonar de pessoas que fumavam regularmente com a em indivíduos que nunca fumaram.

A equipe observou que os fumantes produziam de 30% a 55% mais ACE2, sendo que aqueles que fumavam havia mais tempo apresentavam os maiores valores da enzima. “Como suspeitávamos, o tabagismo causou um aumento significativo na expressão da ACE2”, frisa Jason Sheltzer, geneticista do câncer no Laboratório de Cold Spring Harbor, nos Estados Unidos, e um dos autores do estudo.

A equipe também suspeitava de que os efeitos do tabagismo sobre a ACE2 poderiam estar ligados às células caliciformes, o que pode estar ligado a uma maior vulnerabilidade ao coronavírus. Em testes, descobriu-se que a enzima é mais expressa pelas calciformes. “Essas células  produzem muco para proteger o trato respiratório dos irritantes inalados. Assim, o aumento da expressão da ACE2 nos pulmões dos fumantes pode ser um subproduto desse fenômeno produzido pelo fumo. Pode-se imaginar que ter mais células que expressam ACE2 facilitaria a disseminação do Sars-CoV-2 nos pulmões, mas ainda precisamos explorar mais esse tema”, explica Jason Sheltzer.

Ricardo Martins, pneumologista do Hospital Universitário  de Brasília (HUB), explica que o estudo americano, assim como outras pesquisas feitas durante a pandemia, traz dados que reforçam a ocorrência de prejuízos maiores para fumantes em relação à covid-19. “Sabemos que o cigarro danifica a mucosa respiratória, tornando mais propício que agentes infecciosos tenham uma entrada facilitada, como o Sars-CoV-2”, explica. “Com essas pesquisas correlacionando o aumento de ACE2 nos fumantes e o papel dessa enzima na infecção por covid-19, as nossas certezas só aumentam. É muito provável que os fumantes estejam mais suscetíveis a essa enfermidade.”

Pneumonia 

Estudos também têm mostrado que o tabagismo está ligado ao aumento de complicações em pacientes com covid-19. Um grupo de cientistas liderado por Wei Liu, da Universidade de Ciência e Tecnologia de Huazhong, na China, analisou 78 infectados pelo Sars-CoV-2 e descobriu que os que tinham o hábito de fumar apresentavam risco 14% maior de desenvolver pneumonia, um dos agravamentos mais frequentes na infecção pelo novo coronavírus. “Acreditamos que esses dados podem estar relacionados a um comprometimento do sistema pulmonar” destacaram os autores do estudo, publicado, em fevereiro, na revista Chinese Medical Journal. O alerta também foi feito pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Há ainda a suspeita de que os riscos sejam maiores também em indivíduos que fumam cigarros eletrônicos. “Sabemos também que (esses dispositivos) geralmente são vistos como menos maléfico, mas eles provocam os mesmos danos na mucosa. Outro problema é que muitas pessoas compartilham esses cigarros, outro fator que facilita a transmissão do vírus”, enfatiza Ricardo Martins.

Irma de Godoy, pneumologista e presidente eleita da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (gestão 2021-2022), destaca que  qualquer tipo de fumo é prejudicial aos pulmões, incluindo também o narguilé. “Todos eles repetem o gesto de colocar a mão na boca, o que também é muito perigoso. Diante da pandemia da covid-19, as chances de contaminação aumentam consideravelmente”, complementa. A médica ressalta que os danos provocados aos pulmões pelo fumo não são permanentes, o que é uma boa notícia para quem pretende lutar contra a dependência. “Não só a saúde do pulmão é recuperada, condição que ajuda a enfrentar enfermidades como a covid-19. Outra série de benefícios ocorre. A pessoa consegue respirar melhor, adquire mais resistência física e reduz o risco de sofrer com outros problemas, como os cardíacos”, lista.

Doenças crônicas

Em abril, a OMS informou que, após analisar uma série de estudos sobre a covid-19 com pacientes fumantes e não fumantes, chegou à conclusão de que os primeiros têm riscos maiores de sofrerem complicações no tratamento da infecção pelo Sars-CoV-2. “O tabaco é um grande fator de risco para doenças cardiovasculares, câncer, doenças respiratórias e diabetes, que colocam as pessoas nessas condições em maior risco de desenvolverem doenças graves quando são afetadas pela covid-19”, destacaram, em comunicado, as autoridades do órgão internacional.

"O cigarro acaba afetando áreas cerebrais relacionadas ao prazer. Isso nos faz imaginar que uma pessoa que esteja solitária busque, no tabaco, essa sensação não proporcionada pelo contato social”
João Armando, psiquiatra especialista em dependência química do Instituto Castro e Santos (ICS), em Brasília

Fonte: Correio Braziliense

risco   Fumantes   Tabagismo   Covid-19   Doença  

Mais em Geral

Notificações

Se você gostou do nosso conteúdo, podemos lhe enviar notificações push sobre postagens selecionadas.