Esporte
Glauco Rangel busca recorde na Travessia do Canal da Mancha a Nado
Paulista treina em rio para desafio entre os dias 11 e 16 de agosto

Por Juliano Justo
Publicado 18/06/2020
A A
Foto: © Reprodução/Facebook/Glauco Rangel

O próximo desafio do nadador paulista Glauco Rangel é percorrer a nado os aproximadamente 34 quilômetros que separam a cidade inglesa de Dover da francesa Calais, completando assim a conhecida e temida Travessia do Canal da Mancha. O objetivo inicial do atleta é se aproximar do recorde sul-americano da prova, de 8h49min23seg, que é do brasileiro Adherbal de Oliveira desde 2015. Glauco soma, entre outras conquistas, sete títulos da "14 Bis", travessia de 24km entre Bertioga a Santos. Ele já inscreveu o nome dele no Guinness Book com o recorde obtido na Travessia do Leme ao Pontal – ele completou os cerca de 36km de extensão, sem traje de neoprene, em 7h13min39.

 "Viajo para a Inglaterra dia 2 de agosto, e a minha "janela" para fazer a prova é entre os dias 11 e 16. Mas é claro que os organizadores só liberam se estiver seguro para o nadador e para a equipe", diz o paulista de 48 anos. "Sem dúvida, eu sou um cara competitivo e tenho essa vontade de bater o recorde. Mas o meu objetivo principal é completar a prova, que já é muito difícil. Não subestimo de forma alguma o Canal da Mancha e tudo depende das condições climáticas que vou enfrentar. Quem manda lá é o Canal, a natureza", ressalta o atleta à Agência Brasil.

Durante a preparação, Glauco mudou de cidade no interior paulista. Em outubro do ano passado, ele saiu de Brotas, a cidade natal, para Ourinhos e começou a nadar no rio Paranapanema. "Eu já conhecia o rio porque tinha nadado aqui há muitos anos. E agora um dos meus alunos de natação me levou de volta. Fiz um treinamento lá, algumas séries contra a correnteza, principalmente através das corredeiras e isso me ajudou demais, porque exige muita intensidade e força. Fiz também trabalhos de resistência; cheguei a nadar mais de quatro horas no rio", lembra.

Mais recentemente Glauco também retomou os trabalhos em piscinas. "Claro que sempre respeitando os cuidados sanitários e de distanciamento, consegui alguns locais para treinar. Inclusive, fiz há poucas semanas um treino previsto de 12 horas de natação com a água a 18 graus para tentar simular a temperatura que vou enfrentar lá na Europa. Mas não consegui nadar mais de quatro horas e trinta e abandonei com tontura e mal-estar. Foi um teste importante para ver que eu ainda preciso melhorar e aumentar meu percentual de gordura."

COVID-19

Além das dificuldades naturais do desafio, Glauco tem pela frente outro problema: as incertezas causadas pela pandemia da covid-19. Além de existir a possibilidade de ele ter de passar por uma quarentena forçada ao chegar à Europa, a própria prova pode ser adiada, como ocorreu recentemente com Alan Viana. "Eu acompanhei bem de perto essa questão, porque sou o técnico do Alan. É claro que existe essa possibilidade, mas estou monitorando diariamente os sites e, por enquanto, está tudo confirmado".

A questão financeira e o aumento da cotação da libra em relação ao real durante os meses de pandemia também dificultaram a concretização do desafio. Isso fez com que amigos e alunos do nadador se envolvessem em uma campanha virtual para arrecadar o valor necessário para a realização do projeto, estimado em cerca de R$ 40 mil.

REFERÊNCIAS

O técnico Igor de Souza, o primeiro brasileiro que atravessou o Canal da Mancha, em ida-e-volta, e a nadadora Renata Agondi, que morreu durante a travessia em 1988, foram as primeiras referências de Glauco para encarar o desafio das ultramaratonas em águas abertas. "Fiz alguns trabalhos com eles quando eu ainda era adolescente. Foi uma aclimatação para o frio em 1988, uma super experiência. São referências para mim até hoje. É claro que o que aconteceu com a Renata preocupa a todos, pois tenho família, uma filha de 13 anos. Eu faço uma dieta para ganhar gordura, estou com 18% de percentual de gordura e o ideal é chegar em 20,5%. Mas dei uma empacada, não é fácil. O treinamento é pesado e longo, mas eu confio demais no Igor. Ele vai comigo no barco para fazer a escolta e a hidratação. Vamos com tudo para encarar esse "Everest" das águas abertas", completa Glauco Rangel.

Fonte: Agência Brasil

Nadador Paulista   Cidade Inglesa   Temida Travessia   Glauco Rangel   canal   Mancha   Dover   Calais  

Mais em Esporte

Notificações

Se você gostou do nosso conteúdo, podemos lhe enviar notificações push sobre postagens selecionadas.