Esporte
Maracanã: as boas e más lembranças do futebol brasileiro
Aos 70 anos, estádio coleciona jogos marcantes da seleção e de clubes

Por Maurício Costa
Publicado 16/06/2020
A A
Foto: © Fernando Frazão/Agência Brasil

“Córner contra o Uruguai no último instante da luta. Terminou o tempo pelo meu Omega e vai agora um córner contra o Uruguai. Há descontos ainda. Cobrou Friaça, cabeceou Jair... marcou o juiz, entretanto, o final da peleja. Terminou o jogo com a vitória do Uruguai. Uruguaios campeões mundiais de futebol de 1950, reconquistando o título que haviam obtido em 1930 e perdido depois para a Itália. Desolação natural da torcida aqui no Estádio do Maracanã”.

Assim foi encerrada a transmissão da primeira derrota do Brasil no Maracanã, na voz de Antônio Cordeiro, pelas ondas da Rádio Nacional. Muitos torcedores até hoje entendem que o Maracanazo jamais foi superado, deixando no “Maior do Mundo” a marca eterna da tragédia.

Injustiça. Aos 70 anos, o Maracanã merece o reconhecimento por ter sido palco de grandes conquistas internacionais por brasileiros. Clubes e seleções mostraram, ao longo da história, que o estádio é sinônimo de vitória.

A começar pelo Santos. Primeiro em 1962, ao derrotar o Benfica, no Rio de Janeiro, por 3 a 2, no jogo de ida da final do Mundial Interclubes – o título foi confirmado em Lisboa, com um 5 a 2 sobre os Encarnados. Depois, em  1963, mas com pitadas de emoção. O Milan, da Itália, jogava pelo empate e vencia por 2 a 0. Sem Pelé, Zito e Calvet, o título mundial estava praticamente na mão dos Rossoneros. Na volta do intervalo, o tempo fechou e o céu limpo deu lugar a um dilúvio. E o Santos virou: 4 a 2, com gols de Pepe (2), Almir Pernambuquinho e Lima. No jogo-desempate, de novo no Maracanã, Dalmo, de pênalti, fez o único gol da partida.

Em seu canal no Youtube, Pepe explicou sua relação com o estádio.

“A minha história cresceu nos jogos contra o Milan, no Maracanã. Eu joguei, digamos, umas 300 partidas na Vila Belmiro e umas 20 no Maracanã. Logicamente eu preferia jogar na Vila, mas escolhemos o Rio de Janeiro para enfrentar o Milan, como havíamos escolhido para enfrentar o Benfica no ano anterior. Os cariocas adoravam o Santos Futebol Clube e lotaram o Maracanã para nos ajudar nestas duas conquistas inesquecíveis".

Em 2000, o Corinthians também conquistou um Mundial no Maracanã. A situação era bem diferente da do Santos, pois jogava fora de casa, mas contra o Vasco, outro time brasileiro e mais conhecedor do estádio. O Timão conseguiu segurar o ímpeto da dupla Romário-Edmundo e, nos pênaltis, após cobrança para fora de Edmundo, o time paulista ergueu a taça.

Os bons momentos da nossa seleção

E a Seleção Brasileira? Será que superou o trauma de 1950, quando Ghiggia calou o Maracanã? Em outro 16 de julho, 30 anos depois, Romário fez o estádio explodir contra o mesmo Uruguai, na final da Copa América O time do contestado técnico Sebastião Lazaroni parecia ter dado fim ao fantasma do Maracanazo.

O “capitão” Ricardo Gomes, logo após o apito final, desabafou em entrevista ao repórter Tino Marcos, da Rede Globo. “É um presente para o pessoal do passado e esperança para a torcida de agora. É uma satisfação trabalhar com esse grupo maravilhoso. Saímos de um clima totalmente adverso, mas com muita união se apresentou uma seleção vitoriosa que vai dar muita coisa para a torcida.”

Ricardo Gomes estava certo, pois a Seleção de 1989 foi a base da conquista do tetracampeonato mundial, em 1994, nos Estados Unidos. E por falar nos EUA, como esquecer o Pan-Americano de 2007 e a goleada de 5 a 0 da Seleção Brasileira Feminina sobre as norte-americanas? A derrota na final dos Jogos Olímpicos de Atenas estava entalada na garganta. Mais de 70 mil torcedores lotaram o Maracanã para ver o show com dois gols de Marta, outros dois de Cristiane e mais um de Daniela Alves que falou dessa emoção em depoimento à CBF TV.

“Eu lembro e sempre vou lembrar de todos os detalhes. Em uma quinta-feira, ao meio-dia, mais de 70 mil pessoas no Maracanã. É marcante. Eu tenho uma foto com o estádio lotado. E a gente ficava uma chamando a outra durante o jogo, ficamos impressionadas com o estádio lotado e fazendo a ‘ôla’. Só pra nós. Não tinha o masculino, depois ou antes da gente. Só éramos nós naquela final, e as pessoas foram lá prestigiar. Dentro de casa a final e no Maracanã, um estádio enorme. Foi marcante pra sempre”.

Ainda em 2007, a Seleção Brasileira Feminina fez história com a segunda colocação na Copa do Mundo da China, após eliminar os Estados Unidos na semifinal com outra goleada, 4 a 0. Na final, perdemos para a Alemanha por 2 a 0.

Os alemães, aliás, também têm boas lembranças do Maracanã. A Copa de 2014 no Brasil chegou embalada pelo título da Copa das Confederações, que a Seleção Brasileira havia conquistado no Maracanã no ano anterior. Mas, no Mundial, o time de Felipão nem pôs os pés no Maraca – foi eliminado nos 7 a 1, no Mineirão, pelos alemães. E o “Mário Filho” serviu de palco para o quarto título deles numa Copa: 1 a 0 sobre a Argentina, na prorrogação.

O Maracanã tentou amenizar a dor dos brasileiros dois anos mais tarde, no reencontro com a torcida em uma nova decisão. Agora, por um título inédito: o dos Jogos Olímpicos, com direito a uma medalha de ouro para o futebol masculino na Rio 2016. Mais uma vez, o Templo do Futebol estava lotado para ver uma seleção desacreditada, com resultados ruins no início do torneio. Depois do empate de 1 a 1 com a Alemanha no tempo normal e na prorrogação, finalmente veio a sonhada vibração: gol de Neymar, de pênalti, vitória do Brasil por 5 a 4.

Nossas vitórias no Maracanã, como a da Copa América de 2019, não vão acabar. E o estádio sempre vai estar de braços abertos para os brasileiros. Que venha a próxima taça.

Fonte: Agência Brasil

Maracanã   Seleção Brasileira   Título   Estádio   Uruguai   último Instante   COPA   Mundial   Copa América  

Mais em Esporte

Notificações

Se você gostou do nosso conteúdo, podemos lhe enviar notificações push sobre postagens selecionadas.