Agronegócio
Coronavírus faz agroindústria recuar 5,6% em março, diz FGV
Segundo o Centro de Estudos do Agronegócio da Fundação Getúlio Vargas, redução foi mais do que suficiente para neutralizar o avanço de 0,3% em janeiro e de 1,9% em fevereiro do indicador

Por Canal Rural
Publicado 21/05/2020
A A
Foto: Citrus BR

A agroindústria brasileira sofreu contração de 5,6% em março em relação a março de 2019, já sob efeitos da quarentena por causa da pandemia do novo coronavírus, informou nesta quarta-feira, 20, a Fundação Getúlio Vargas (FGV), que elabora, por meio do seu Centro de Estudos do Agronegócio (GV Agro), o Índice de Produção Agroindustrial (PIMAgro) – Produção Física.

A redução, conforme a FGV, foi mais do que suficiente para neutralizar o avanço de 0,3% em janeiro e de 1,9% em fevereiro do indicador. “Além disso, foi o pior resultado para março, para essa base de comparação, desde 2011 (-5,9%)”, diz o informativo.

No trimestre, o indicador também ficou negativo, fechando em -1,2% de janeiro a março de 2020 em relação a igual período do ano passado. “Os setores da agroindústria que conseguiram sustentar o crescimento da sua produção são aqueles considerados essenciais e cuja demanda está associada ao consumo doméstico”, diz o GV Agro no documento.

“Do outro lado, aqueles produtos não essenciais ou que a demanda está relacionada ao setor de serviços, (como restaurantes, lanchonetes e padarias) sofreram, já em março, o impacto da quarentena de forma intensa.” Entre os setores ligados ao agronegócio que fecharam março no campo negativo em relação a igual mês de 2019, entre produtos alimentícios e não alimentícios, estão bebidas (-18,7%), bebidas alcoólicas (-20,9%), bebidas não alcoólicas (-16,1%); produtos têxteis (-22%); produtos florestais (-0,8%); borracha (-9,2%) e fumo (-14,3%).

Já os que tiveram desempenho positivo foram apenas alimentos de origem vegetal (+7,2%); alimentos de origem animal (+1,4%); insumos agropecuários (+0,8%) e biocombustíveis (+5,9%).

Quando agrupados entre produtos alimentícios e bebidas, a categoria cedeu 1,9% em março. Já os produtos não alimentícios em geral tiveram um tombo de 9,4%, segundo o GV Agro, que usou como base dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

“A contração da produção desse segmento (não alimentícios) do mês de março de 2020 foi mais expressiva do que a queda verificada em maio de 2018 (-8,2%), mês em que ocorreu a greve dos caminhoneiros no Brasil. Além disso, foi o pior resultado para o mês desde março de 2009 (-9,7%), época em que o país já estava sofrendo as consequências da crise mundial eclodida em meados de setembro de 2008”, diz o documento.

O GV Agro cita, ainda, que dentro do segmento de produtos alimentícios, em “alimentos de origem vegetal”, com exceção da produção de conservas e sucos (-13,8%), todos os demais registraram expansão em março ante março do ano passado: óleos e gorduras (3,9%), arroz (11,3%), moagem de trigo (10,3%), refino de açúcar (11,9%) e moagem de café (22,2%). Em relação ao segmento de “alimentos de origem animal”, a expansão foi puxada, basicamente, por abates de suínos e aves (12%) e pescados e outros produtos (4,9%).

Em contrapartida, a produção de abates de reses (-1,1%) e produtos de carne (-14,5%) registraram contração. “Ou seja, em março de 2020, fica claro que os setores da agroindústria que conseguiram sustentar o crescimento da sua produção são aqueles considerados essenciais e cuja demanda está associada ao consumo doméstico, como é o caso de produtos alimentícios”, conclui o GV.

Fonte: Canal Rural

Getúlio Vargas   PRODUTOS   Fundação Getúlio   PRODUÇÃO   Produção Agroindustrial   Brasileira Sofreu   Produção Física   Alimentícios   Março   Produtos Alimentícios  

Mais em Agronegócio

Notificações

Se você gostou do nosso conteúdo, podemos lhe enviar notificações push sobre postagens selecionadas.