Agronegócio
Mosca-branca: como fazer o manejo eficiente da praga na soja
Na planta da soja, a mosca-branca pode causar danos tanto diretos quanto indiretos; dependendo do seu nível populacional, as perdas de produção podem variar de 20% a 100%.

Por Canal Rural
Publicado 20/05/2020
A A
Foto: Shutterstock

Motivo de grande preocupação para agricultores, as infestações de mosca-branca têm sido cada vez mais frequentes em diversas culturas. Nos últimos anos, as lavouras de soja vêm sendo umas das mais afetadas pela praga, causando prejuízos aos produtores.

Na planta da soja, a mosca-branca pode causar danos tanto diretos quanto indiretos. Dependendo do seu nível populacional, as perdas de produção podem variar de 20% a 100%.

Por isso, é fundamental, por parte do agricultor, conseguir identificar e combater essa praga. Também é importante saber quais as medidas que podem ser adotadas no seu controle, para que o dano seja reduzido significativamente.

Mosca-branca na soja: saiba identificá-la corretamente

Já faz certo tempo que a mosca-branca (Bemisia tabaci raça B) tornou-se uma praga de grande importância, sendo motivo de muita preocupação na cultura da soja. Por isso, saber identificá-la corretamente é o ponto de partida para iniciar seu controle.

A mosca-branca é um inseto pequeno, com aproximadamente 2 mm de comprimento na fase adulta. Os ovos dessa espécie têm formato de pera e estão presentes na parte fora do eixo das folhas. Durante seu ciclo, cada fêmea é capaz de depositar de 100 a 300 ovos.

Ao eclodir, as ninfas, cujas cores vão de translúcida ao amarelo-palha, são capazes de se locomover por alguns minutos até encontrar o local mais adequado na planta para então se fixar. A partir desse estádio, começam a succionar a seiva da planta, se desenvolvendo até atingirem o estágio adulto.

Vale citar também que, tanto os adultos como as ninfas, ao introduzirem o aparelho bucal no tecido da planta, injetam fitotoxinas. Isso pode provocar alteração no desenvolvimento vegetativo e reprodutivo da cultura, reduzindo a produtividade.

Além disso, sob condições climáticas favoráveis, o ciclo de vida da mosca-branca costuma variar de 18 a 30 dias, podendo ocorrer de 11 a 15 gerações por ano.

Danos diretos e indiretos na cultura da soja

Na cultura de soja, a mosca-branca é uma praga responsável por causar danos diretos e indiretos, com ambos tendo grande potencial em comprometer a produtividade de grãos.

O dano direto mais importante ocorre por meio da sucção de seiva realizada pelos adultos e pelas ninfas.

O dano indireto ocorre pela secreção de substâncias açucaradas, permitindo o desenvolvimento da fumagina. Isso, consequentemente, resultará na redução da capacidade fotossintética, com antecipação do ciclo da cultura, fatores que refletem diretamente na redução da produtividade das culturas. Outro dano indireto de grande impacto se dá por meio da transmissão de variadas viroses. No caso da soja, a virose mais recorrente é a necrose-da-haste, do grupo dos carlavírus, que, com a evolução dos sintomas, pode fazer com que a planta chegue à morte.

Além dos danos diretos e indiretos que provoca, a mosca-branca ainda é caracterizada por apresentar alta taxa reprodutiva, fácil dispersão, polifagia e, em alguns casos, seleção de resistência a inseticidas, fato que contribui para as dificuldades de manejo da praga.

Melhores práticas e estratégias de controle da mosca-branca na soja

Para o eficiente controle da mosca-branca na soja, diversas são as práticas e estratégias que podem ser adotadas pelo agricultor.

Assim, o manejo da mosca-branca no sistema produtivo pode ser feito desde a destruição de restos culturais e plantas voluntárias, passando pelo controle de plantas daninhas hospedeiras da mosca-branca e o controle químico.

Mas, para o sucesso no manejo da mosca-branca na cultura da soja, é essencial a capacidade de reconhecimento da praga associado à adoção completa do manejo integrado de pragas (MIP).

Alinhado ao MIP, destaca-se a busca por inseticidas seletivos, seguindo as recomendações de bula, a fim de prolongar a vida útil destes produtos contra o inseto.

Essas opções podem implementar-se mediante avaliação de novos produtos, o aperfeiçoamento dos métodos de aplicação e o monitoramento constante dos níveis de resistência de mosca-branca em áreas específicas.

Controle prolongado: máxima eficiência no combate à mosca-branca na soja

  • Para maior eficiência no controle da mosca-branca na soja, há no mercado um produto inseticida bastante interessante e eficaz. Esse produto apresenta dois modos de ação (contato e sistêmico) e é o único no mercado que consegue combater a mosca-branca em todas as fases de desenvolvimento (ovos, ninfas e adultos).

Com eficiente ação sistêmica, o produto consegue percorrer toda a planta, atingindo o inseto no momento em que ele suga a seiva.

O produto também possui como característica ação translaminar, que permite ser capaz de se translocar através das folhas, alcançando locais que a pulverização não atinge de forma direta. Isso anula o desenvolvimento dos ovos e das ninfas depositados na parte inferior da folha.

Por fim, esse produto, desenvolvido com uma solução inovadora que dispensa o uso de adjuvantes, também oferece um efeito prolongado, justamente por quebrar o ciclo de desenvolvimento da praga em todos seus estágios de desenvolvimento.

Vantagens e benefícios desse produto inovador no combate à mosca-branca:

  • Alta eficiência: permitindo o controle de todas as fases (ovo, ninfa, adulto) da mosca-branca, tendo ação na parte abaxial da folha e evitando danos diretos e indiretos por um longo período;
  • Versatilidade de uso: permitindo a aplicação terrestre, aérea e na florada com ótima eficiência.

Fonte: Canal Rural

Mosca-branca   Soja   controle   Danos Diretos   PRAGA   Cultura   Planta   produto   Desenvolvimento   DANOS  

Mais em Agronegócio

Notificações

Se você gostou do nosso conteúdo, podemos lhe enviar notificações push sobre postagens selecionadas.