Política
Estados acumulam prejuízos com atraso na sanção de Bolsonaro a socorro
Até esta quarta-feira, contudo, o projeto ainda aguardava sanção do presidente Jair Bolsonaro

Por Notícias ao Minuto
Publicado 14/05/2020
A A
Foto: © Reuters - Notícias ao Minuto

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - No Rio Grande do Sul, parte dos 340 mil servidores públicos ativos e inativos aguarda que caia nos cofres d

À reportagem o governador Eduardo Leite (PSDB) afirmou nesta quarta-feira (13) que, enquanto o recurso não foi liberado, a folha de pagamento não poderá ser quitada.

"Esse dinheiro não é para governador nem para prefeito. É para a população. É para os servidores que precisam de seus recursos", disse Leite.

"São os hospitais que ficam sem insumos nesta situação crítica que vivemos. É a população quem paga o preço dessa demora na chegada dos recursos", afirmou.

A expectativa de Leite era que R$ 500 milhões fossem depositados pela União na conta do estado até a próxima sexta-feira (15). Esse também era o desejo do Senado.

Ao aprovarem, no dia 6, a ajuda financeira de aproximadamente R$ 125 bilhões para estados e municípios durante a pandemia causada pelo novo coronavírus, os senadores diziam acreditar que a primeira das quatro parcelas do recurso já pudesse estar na conta de estados e municípios neste mês.

Até esta quarta-feira, contudo, o projeto ainda aguardava sanção do presidente Jair Bolsonaro.

O impasse se deu em um ponto específico: por flexibilizar as regras para o congelamento salarial -o que, na prática, abriu brechas para que sejam concedidos reajustes para algumas categorias como policiais e professores-, o projeto ainda não foi sancionado.

O ministro Paulo Guedes (Economia) defendeu o veto do presidente ao reajuste salarial. O presidente já afirmou que irá vetar o reajuste, mas ainda não o fez.

De acordo com o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), diante do impasse, o governo atrelou o projeto de ajuda aos estados com outro, que autoriza reajuste para policiais e bombeiros do Distrito Federal custeado com recursos do Tesouro por meio do Fundo Constitucional do Distrito Federal.

A proposta foi aprovada nesta quarta no Senado.

Enquanto o reajuste dos policiais do DF não estivesse garantido, a ajuda aos estados não chegaria. A tendência é que apenas os policiais e as Forças Armadas tenham o reajuste garantido por Bolsonaro.As demais categorias devem ter a reposição salarial vetada.

"Existe uma recomendação para o veto do reajuste e, se o presidente vetasse antes, impossibilitaria policiais do DF de receber o reajuste", disse Bezerra.

Bolsonaro tem até o próximo dia 21 para fazer a sanção. Se a sanção for feita no limite do prazo, o recurso chegará aos cofres dos entes federados só no fim do mês de maio.A demora do governo em sancionar o projeto causa um desencaixe ainda maior nas contas públicas. Já perdemos 30% das nossas receitas em abril, e maio já está praticamente no fim. São já dois meses de perdas com a pandemia", disse o governador do Rio Grande do Sul.

Em Roraima, a situação também é de angústia.Embora o governador Antonio Denarium (PSL) seja apoiador de Bolsonaro -com quem tem uma foto em seu celular-, o governador lamentou a morosidade no repasse.

"Esse recurso é extremamente necessário para podermos ter como viver com a queda da arrecadação neste período. Cada dia que passa sem esse recurso fica mais difícil", disse o governador à reportagem.

Assim que o projeto for sancionado por Bolsonaro, Roraima espera receber R$ 147 milhões do governo federal.

Segundo Denarium, o recurso será utilizado para a compra de equipamentos para o combate ao novo coronavírus, já que a folha de pagamento dos servidores já está quitada.Segundo o governador, a pandemia já resultou em uma queda de 36% na arrecadação do estado nos primeiros dias de maio em relação ao mesmo período do ano passado."Até hoje estamos conseguindo, mas não sabemos qual será o custo do coronavírus. É para isso que precisamos do recurso."

A morosidade na sessão do projeto tem sido fortemente cobrada pelos senadores, especialmente ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP).

Relator da proposta, Alcolumbre construiu o projeto com a equipe econômica do governo e do próprio presidente Bolsonaro, de quem garantiu que tinha apoio para a sanção.

"Quem tem de nos dar uma explicação para essa demora na liberação dos recursos é o presidente Davi. Ele que relatou o projeto, que construiu a proposta com o governo e garantiu o nosso voto. Ele não explicada nada", disse o senador Esperidião Amin (PP-SC).Integrante da Mesa Diretora e responsável por presidir a sessão no dia da votação do projeto, o senador Weverton Rocha (PDT-MA) defendeu que, caso o reajuste dos servidores aprovado pelo Congresso na medida seja vetado por Bolsonaro, os congressistas derrubem o veto.

"Ele [Bolsonaro] só terá problema se comprar essa briga com o Congresso. Há um forte sentimento no Senado de que qualquer tipo de veto seja derrubado", disse.Nesta quarta, sem fazer referência direta ao presidente, Alcolumbre afirmou que é a hora de os entes federados e congressistas unirem forças para que os recursos cheguem aos estados e municípios.

"Acho que é chegada a hora de conclamarmos todos os líderes, estados e municípios para que cheguemos a uma ajuda rápida."

O pacote prevê que R$ 10 bilhões serão repassados diretamente para o enfrentamento ao coronavírus -R$ 7 bilhões aos cofres de estados e do Distrito Federal e R$ 3 bilhões aos dos municípios.

O restante do valor a ser transferido (R$ 50 bilhões) será distribuído de duas formas, sendo R$ 30 bilhões distribuídos diretamente aos estados e ao DF e os outros R$ 20 bilhões municípios.

O rateio será feito segundo a regra de proporção, levando em consideração critérios mistos, como as perdas de ICMS (imposto estadual) e de ISS (municipal) causadas pela pandemia e o número de habitantes.

Apesar de o governo ter aceitado elevar o valor das transferências diretas para R$ 60 bilhões, o montante ainda ficou abaixo da versão do plano de auxílio aprovado pela Câmara em abril, que, segundo o Tesouro Nacional, poderia ter custo acima de R$ 200 bilhões.

Fonte: Notícias ao Minuto

Eduardo Leite   Governador Eduardo   bolsonaro   Projeto   BILHÕES   estados   Reajuste   DISTRITO FEDERAL   RECURSO   PRESIDENTE  

Mais em Política

Notificações

Se você gostou do nosso conteúdo, podemos lhe enviar notificações push sobre postagens selecionadas.