Geral
Transporte público no Brasil perde 62% dos passageiros
Em todo o mundo, houve queda drástica também em atividades como visita a parques e restaurantes/bares/museus (reduções de 70% e 71% no Brasil, respectivamente)

Por Notícias ao Minuto
Publicado 04/04/2020
A A
Foto: © Reuters/Nacho Doce

Com a escalada do coronavírus, chega a 62% a queda na circulação dos brasileiros no transporte público. É um percentual abaixo de países europeus mais afetados até aqui pela doença, como Itália (87% de perda) e Espanha (88%), mas acima dos Estados Unidos (51%).

Em todo o mundo, houve queda drástica também em atividades como visita a parques e restaurantes/bares/museus (reduções de 70% e 71% no Brasil, respectivamente).

As conclusões são fruto da análise de dados anônimos de localização divulgados pelo Google, obtidos a partir de aparelhos dos usuários. O levantamento traz números de 131 países nos meses de fevereiro e março, quando a epidemia da Covid-19, até então concentrada na China e em alguns locais da Ásia, se disseminou pelos cinco continentes.

O levantamento considera o movimento nos países registrado entre 16 de fevereiro e 29 de março, comparado à atividade entre 3 de janeiro e 6 de fevereiro. Foram avaliadas seis categorias: residências, locais de trabalho, estações de transporte público, mercados e farmácias, parques (inclui praças, praias e jardins públicos) e lazer (restaurantes, shoppings, cafés, bares, cinema, museus e teatros).

Na Itália, Espanha e França, locais mais afetados pelo vírus na Europa, há reduções de cerca de 90% no fluxo de cidadãos em estações de transporte e locais de lazer.No Brasil, houve aumento de quase 20% no volume de pessoas em suas casas na semana passada. O transporte ficou 62% mais vazio, e os shoppings e cinemas perderam 71% do público.

Segundo dados do Ipea, 65% dos brasileiros usam transporte público nas capitais. Nas maiores cidades da Europa, cerca de 60% dos cidadãos usam esse meio para ir trabalhar, de acordo com levantamento da União Europeia –17% usam carro particular.

Por aqui, o fluxo de pessoas nos espaços comuns começou a cair na semana do dia 8 de março.O esvaziamento dos locais de circulação ganhou força a partir da semana seguinte, quando governadores começaram a anunciar medidas como a suspensão de aulas e restrições ao comércio.

O movimento foi iniciado por São Paulo e Rio, estados mais atingidos pela epidemia, e foi acompanhado por outras unidades da federação nos dias seguintes, à medida que o vírus se espalhava pelo país. No domingo passado, Santa Catarina registrava 80% menos pessoas nos locais de lazer, maior redução entre os estados.Em relação ao transporte público, Sergipe é o que teve maior queda no volume de pessoas nas estações (86%).

Já Rio e São Paulo tiveram redução de 37% na frequência a locais de trabalho.Nos Estados Unidos, os dados mostram que o isolamento social ainda não tem a mesma abrangência da registrada entre os europeus e brasileiros. Segundo o Google, a diminuição do público em locais de lazer e no transporte girou em torno 50% –percentual semelhante ao visto na Austrália, que tem menos de 1% dos mortos dos EUA.

Os americanos têm o maior número de casos do mundo (quase 259 mil, com 6.000 mortes).Os efeitos são maiores em estados como Nova York, que tem mais de 100 mil doentes e onde houve redução de 62% na frequência a locais de lazer. Já em Nebraska (281 casos), a queda foi de 34%.

Nos dois países com maior números de mortes até o momento, Itália e Espanha, a movimentação nos parques, praças e jardins públicos indica que a população não adotou o isolamento voluntário de forma muito abrangente. Os cidadãos só passaram a ficar em casa quando isso foi imposto pelo governo.

No início da crise, em fevereiro, houve aumento na frequência a parques, com mais pessoas aproveitando ao ar livre os dias de sol no fim do inverno.Na Itália, a queda no movimento só se torna constante a partir da primeira semana de março, quando o país já registrava milhares de casos confirmados e as mortes já chegavam às centenas.

Na Lombardia, região mais afetada pelo coronavírus, houve pico de movimento pouco antes do dia 8 de março, domingo em que se comemorou o Dia Internacional da Mulher e houve marchas e manifestações em cidades de todo o mundo.Naquele dia, a Itália contabilizava 366 mortos. Os casos confirmados ultrapassavam os 7.000, com mais de 3.000 só na Lombardia.

Também naquele domingo o governo italiano decretou quarentena na região, medida que restringiu a movimentação de 16 milhões de pessoas.Na Espanha, houve aumento do movimento em parques durante todo o mês de fevereiro –no fim de semana dos dias 22 e 23, a frequência cresceu quase 50%.Por lá, só houve queda consistente a partir da segunda semana de março, quando o governo decretou quarentena.

Já a Coreia do Sul, considerada um exemplo em relação ao controle interno da epidemia e que registrou auge de contágio em fevereiro, deu sinais de que começou a retomar as atividades normais em março.

Ainda há redução no volume de pessoas em shoppings, restaurantes, estações de transporte público e locais de trabalho, mas os percentuais são bem mais modestos que na Europa e nas Américas, e já se nota aumento no fluxo em mercados, parques e farmácias.

Não há dados para a China, onde o vírus surgiu e onde o Google opera com restrições.Argentina e África do Sul, por sua vez, são alguns dos países com maior aumento do volume de pessoas que se mantêm em casa (27% e 24%, respectivamente). As duas nações impuseram medidas duras de isolamento social, com controle do Exército entre os sul-africanos e multas ao argentinos que infringirem as regras.

Fonte: Notícias ao Minuto

Transporte Público   Locais   Coronavírus   Pessoas   Março   Estados Unidos   Fevereiro   Itália   Circulação dos Brasileiros  

Mais em Geral

Notificações

Se você gostou do nosso conteúdo, podemos lhe enviar notificações push sobre postagens selecionadas.