Geral
Em SP, mulher venceu covid-19 após 4 dias de UTI: 'Tive certeza da morte'

Por Carlos Caldeira
Publicado 23/03/2020
A A
A alagoana Ana Patricia Bezerra Moura, 43, durante as férias na Itália Imagem: Arquivo Pessoal

A bancária alagoana Ana Patrícia Bezerra Moura, 43, mal imaginava que realizar uma viagem dos sonhos, na Itália, quase lhe custaria a vida. No dia 2 de março, ao desembarcar no aeroporto de Guarulhos vinda de voo de Londres, ela já apresentava febre e dor de garganta. Até então, a mãe de três crianças, que mora em Maceió, não se assustava com a covid-19 — e o tema era tratado até com desdenha pelos italianos.

Por conta dos sintomas, Ana resolveu adiar sua volta a Maceió. "Conversei com meu irmão, que é médico aqui em São Paulo, e, por cautela, ele disse era melhor eu fazer o exame. Dando negativo, eu voltaria", lembra.

O marido de Ana voltou, sem sintomas, mas recebeu dois dias depois a notícia de que estava com covid-19. "Eu ainda tinha na cabeça que era só uma gripe forte, que eu não era grupo de risco, que estava tudo 'ok', que eu ia ficar ia passar os 14 dias, ia ficar bem e voltaria."

Mas não foi bem assim. Por conta do agravamento do quadro, precisou ser internada e, depois, foi levada à UTI. Lá, confessa, teve momentos de desespero e "certeza da morte".

"Por algumas vezes, eu tive a certeza de que ia morrer, principalmente quando estava na UTI [unidade de terapia intensiva], porque eu me sentia muito mal: muita dor de cabeça, não me sentia melhorando rapidamente. Passava de um dia para o outro e não melhorava. Dormia e acordava, sentia a mesma coisa. Então, achei que eu ia morrer, sim".

Ana foi uma das cinco primeiras pessoas a ter coronavírus em São Paulo. Foi também um das primeiras a ter a forma grave da doença e precisar de terapia intensiva.

Há quatro dias ela deixou o hospital, onde foi declarada curada do vírus após exames. "Fiquei bem feliz quando descobri que estava curada, porque já tinha começado a aparecer na mídia muita coisa, e eu também já tinha passado por maus bocados", conta.

A volta da Itália

"Cheguei na Itália dia 2. Meu voo era Roma — Londres — São Paulo. Daqui eu pegaria um outro voo para ir a Maceió. Mas, quando cheguei, já não estava muito bem: estava com febre, um pouco de dor de garganta e tossindo. Eu tenho irmão que mora em São Paulo e é médico.

Apesar da possibilidade de o coronavírus ali ser algo bem distante, porque foi logo no início — não foi como estava está hoje na mídia — eu achei que não era. Conversei com meu irmão, e por cautela, por precaução, ele disse que era melhor eu fazer o exame.

Dando negativo, eu voltaria a Maceió

Meu esposo não sentia nada e seguiu viagem. Eu resolvi ficar. Eu sai do aeroporto e fui para o hospital. Fui medicada porque estava com dor de garganta, fiz ausculta, fiz o raio-x e não deu nada. Fiz os exames para o teste para Influenza e para o corona e vim para casa. Meu irmão saiu, e eu fiquei no apartamento dele, sozinha, em isolamento. Dois dias depois saiu o resultado positivo para a covid-19."

Fonte: NewsRondonia

Curada   Coronavírus   bancaria   Férias   Itália   UTI  

Mais em Geral

Notificações

Se você gostou do nosso conteúdo, podemos lhe enviar notificações push sobre postagens selecionadas.