Geral
Oi, sumida! Brasil tem 148 milhões de notas de R$ 1 em circulação
Levantamento feito pelo (M)Dados aponta curiosidades sobre o dinheiro que circula no país

Por RAFAELA LIMA
Publicado 22/01/2020
Atualizado 22/01/2020
A A
Foto: MARCELO CAMARGO/EBC

Qual a nota em maior circulação no Brasil? E as moedas, qual a mais comum? Levantamento feito pelo (M)Dados, núcleo de tratamento de grandes volumes de informações do Metrópoles, levando em conta os números de janeiro liberados pelo Banco Central (BC), mostra que o Brasil tem em circulação R$ 266 bilhões em 33,8 bilhões de cédulas e moedas. Em sua maioria, notas de R$ 50 e níqueis de 10.

Em relação aos valores em papel, atrás das notas de R$ 50, estão as de R$ 2 e R$ 100. A menor, por incrível que pareça, é a de R$ 10, com “apenas” 587 milhões. Isso se não levarmos em consideração as “raras” de R$ 1, tendo em vista que a Casa da Moeda deixou de produzi-las em 2005. Apesar disso, ainda existem 148 milhões delas em circulação.

As moedas, campeãs em quantidade no quesito circulação, também sofrem variações significativas. As de 10 centavos lideram o pódio, com 7,1 bilhões. Em último lugar está a de 5 centavos, com 3 milhões.

Evolução histórica
Desde 2010, a quantidade de dinheiro em circulação no Brasil só aumentou, apesar da popularidade do cartão de crédito.

Segundo o Banco Central, o aumento dos dispositivos eletrônicos pode ter diminuído a produção do dinheiro, “mas não o suficiente para interromper o crescimento do meio circulante. E no momento não há indicativo de que esse fato vá ocorrer. No mundo, só alguns países escandinavos conseguiram esse feito, em outro contexto”, afirmou, em nota.

O caminho do dinheiro

A emissão de novas notas e moedas é gerenciada pelo Banco Central, que define a circulação de acordo com o crescimento do dinheiro vivo no país, acompanhando a economia, os preços e o volume de saques.

Definida a necessidade de fabricação, o dinheiro vivo é “produzido” e encaminhado à autarquia. De lá, vai para o Banco do Brasil, contratado para distribuir o dinheiro entre os demais bancos.

É também o Banco Central que substitui o dinheiro inutilizado por se encontrar muito desgastado ou avariado.​​

Com a ajuda do Banco do Brasil, que recolhe notas e eventualmente moedas em mau estado ou suspeitas de falsificação, o BC promove o chamado saneamento do meio circulante: analisa as notas e as moedas e destrói as que não tiverem em condições de uso.

Fonte: Metrópoles

Banco Central   brasil   Moedas   DINHEIRO   Circulação   Notas  

Mais em Geral

Notificações

Se você gostou do nosso conteúdo, podemos lhe enviar notificações push sobre postagens selecionadas.