Agronegócio
4º Tour da Soja zona da mata, Rondônia
Rondônia é o estado brasileiro com o maior incremento de área plantada de soja no País.

Por Mário Jensen
Publicado 13/01/2020
Atualizado 13/01/2020
A A
Foto: Reprodução/Caravana da Soja

Uma caravana formada por 15 produtores, 10 Agrônomos e empresários, num total de 60 pessoas realizaram o 4º Tour da soja na zona da mata do estado de Rondônia. Eles percorreram por vários municípios, Espigão do Oeste, Pimenta Bueno, Rolim de Moura, Santa Luzia, Alto Alegre e Alta Floresta, com o objetivo de conhecer as terras férteis que estão transformando Rondônia na terra da soja.  A caravana percorreu um trajeto onde existem aproximadamente vinte e cinco mil hectares de terras produzindo soja.

“O objetivo da caravana é enxergar as realidades de cada região, as semelhanças que elas tem entre si, para que possamos nos ajudar e para que os produtores possam alcançar uma melhor produtividade. Observando o que o outro produtor está fazendo e que tem dado certo, o outro produtor vai aplicar  também em sua propriedade e assim poder difundir  alguma tecnologia, novidade de mercado ou de campo que pode ajudar, exemplo; uma praga, doença que pode estar sendo problema para um produtor mas que para outro ainda não está sendo, o que queremos é contribuir para que o investimento seja garantido, explica o Responsável técnico, Alexsandro  Vestemberg.  

Rondônia é o estado brasileiro com o maior incremento de área plantada de soja no País. 

“Exitem várias formas de entender o que é a tecnologia, alguns acham que é máquina, outros acham que é a adubação, mas na verdade é um conjunto. Como é uma cultura de grandes investimentos, nós usamos a tecnologia para diminuir riscos, quanto mais amparado com tecnologia, manejo correto, não demasiadamente, mas de forma correta estaremos mais seguro quando trabalhamos com esse tipo de estratégia”, destaca o Engenheiro Agrônomo, Nicolai Teodoro.  

O sojicultor, Ildo Perissari, já foi um grande pecuarista, mas hoje o seu investimento é na lavoura de soja, não trabalha mais com gado e conta que; “minha terra é fértil e boa, mas deu muito fungos, cigarrinhas. Eu comecei reformar os pastos e resolvi investir na lavoura de soja, no início  foram 20  hectares de terra, todo ano eu tinha um pedaço de pasto para reformar e com isso foi aumentando a lavoura, hoje tenho quinhentos hectares de terra completo de soja”, destaca o sojicultor. 

 
Segundo o Responsável técnico, Alexsandro  Vestemberg, ainda há áreas a vontade de pastagens degradadas, que não estão sendo aproveitadas  para a criação de gado de leiteiro e essas áreas degradadas podem ser ocupadas por soja, milho, onde pode gerar uma produtividade, um produto comercial rentável ao produtor e com a possibilidade de recuperar o solo degradado. Muitos produtores que reformam a pastagem acabam investindo um capital alto para novamente ter um bom pasto, porém com a lavoura de soja, milho, arroz, entre outras culturas é possível fazer a reforma, melhorar o solo e ainda ter um ganho comercial, então o produtor  investe e logo tem resultado a curto prazo, enfatiza, Alexsandro. 

 

Foto: Reprodução/Caravana da Soja
Foto: Reprodução/Caravana da Soja
Foto: Reprodução/Caravana da Soja
Foto: Reprodução/Caravana da Soja
Foto: Reprodução/Caravana da Soja
Foto: Reprodução/Caravana da Soja
Foto: Reprodução/Caravana da Soja
Fotos: Rolim Notícias
Fotos: Rolim Notícias
Fotos: Rolim Notícias
Fotos: Rolim Notícias
Fotos: Rolim Notícias

Fonte: Rolim Notícias

Agricultura   Soja   Pimenta Bueno   Santa Luzia   Alta Floresta   Alexsandro Vestemberg   Rondônia   Alto Alegre   Caravana Formada  

Mais em Agronegócio

Notificações

Se você gostou do nosso conteúdo, podemos lhe enviar notificações push sobre postagens selecionadas.