Onda Amorim pega: vereador de Cerejeiras quer professor ganhando igual a vereador
VILHENA –  A política de Cerejeiras está fervendo por causa da proposta protocolada na Câmara Municipal pelo vereador Valdecir Sapata Jordão (PSB), equiparando o salário dos parlamentares ao dos professores da rede estadual. Sapata, que é diretor do Sintero na cidade, vem enfrentando resistência feroz dos colegas, que o acusam de “querer aparecer”.

Atualmente, o vencimento de um vereador em Cerejeiras fica em torno de R$ 4 mil líquidos. Os educadores recebem, como salário inicial, R$ 2.551,00. Portanto, a matéria corta quase pela metade os ganhos dos edis. Ocorre que ela só valerá para a próxima legislatura, que começa em 2021. “Eu queria já, mas a lei não deixa”, explica o autor da iniciativa.

MEMÓRIA

Essa medida já fora proposta em Ariquemes, pelo vereador Ernandes Amorim, em abril. 

Por telefone, Sapata também revelou que vem sofrendo pressão para retirar o projeto de lei, mas não pretende fazer isso. O vereador explicou que, para que seja submetida a leitura no plenário da Câmara, a matéria precisa contar com três assinaturas. Por enquanto, apenas ele mesmo assinou o documento.

Outra alternativa seria a Mesa Diretora da Câmara apresentar o projeto, o que a cúpula da Casa se nega a fazer. Mais uma opção seria o prefeito Airton Gomes (PP) patrocinar a iniciativa, mas ele também não parece disposto a “comprar a briga”.

Para que a equiparação salarial vereadores-professores seja posta em prática, é necessário alterar a Lei Orgânica de Cerejeiras. Fora as duas alternativas, existe a possibilidade de 5% dos 13 mil eleitores do município assinarem um pedido para que a Câmara promova a mudança. E talvez seja esse o desfecho do caso.

Sapata disse que a ideia inicial era fazer com que o salário dos professores fosse reajustado para ficar igual o dos vereadores. Mas, como o município se negaria a conceder o aumento, ele entendeu que a Câmara deveria mostrar solidariedade aos educadores sacrificando seus próprios ganhos.

Servidor da Educação na cidade há 24 anos, Sapata disse que a Câmara de Cerejeiras está perdendo a oportunidade de se destacar no cenário político brasileiro: “Todo mundo elogia os professores durante as campanhas eleitorais, mas quando chega ao poder, a maioria continua ignorando a categoria. Estou fazendo a minha parte”.